Apresentação

Cine Cerca é uma residência de escrita de argumento que visa acompanhar realizadores francófonos e lusófonos no desenvolvimento do seu projeto.

Quando decorre a residência?

A residência tem duas fases, para uma duração total de um mês:

  • De 2 a 16 de janeiro de 2020.
  • De 4 a 18 de maio de 2020.

Onde decorre a residência?

A residência decorre na Casa da Cerca (Almada, Portugal).

O local oferece um espaço de trabalho e de vida calmo e propício à reflexão. Ao mesmo tempo, os residentes beneficiam da proximidade em relação à cidade de Lisboa e à sua vida cultural, e poderão participar em dois dos festivais de cinema mais importantes de Portugal: a Festa do Cinema Francês e o IndieLisboa.

A quem se destina o programa Cine Cerca?

O programa Cine Cerca destina-se a argumentistas, realizadores e outros profissionais do cinema:

  • com residência em França ou em Portugal.
  • francófonos e/ou lusófonos.
  • com um percurso prévio no cinema e/ou trabalhos cinematográficos anteriores para apresentar.
  • que tenham um projeto de curta, média ou longa-metragem de ficção, documentário ou animação, com ou sem produtor, em fase de tratamento ou de desenvolvimento já com diálogos.
  • capazes de demonstrar de forma significativa o investimento franco-português o seu projeto, seja quanto a temática, local de filmagem, coprodução ou difusão.
  • que se candidatem a título individual e garantam poder estar presentes na Casa da Cerca ao longo dos dois períodos de residência.

Não há nenhum limite de idade para a apresentação de candidaturas.

O que é que a residência propõe?

A residência oferece um espaço de trabalho privilegiado, longe das obrigações do dia a dia, propício à criação. Propõe uma avaliação e um acompanhamento personalizado de cada projeto.

Além disso, poderá também proporcionar encontros e oportunidades de colaboração entre profissionais do cinema franceses, portugueses e internacionais, assim como acordos de coprodução e de difusão cinematográfica.

Estão incluídos na residência

  • O valor da viagem até ao local da residência.
  • Um espaço de trabalho na Casa da Cerca, em Almada.
  • Alojamento em pensão completa no Seminário São Paulo de Almada.
  • O acompanhamento personalizado de script-doctoring e a criação de ligações com potenciais parceiros por profissionais do cinema francófono e lusófono.
  • O livre acesso aos eventos organizados pela Casa da Cerca assim como ao conjunto de projeções, oficinas e debates organizados pelos festivais Festa do Cinema Francês e IndieLisboa.

A residência é completamente gratuita.

Porquê Cine Cerca?

França e Portugal têm mantido desde sempre estreitas relações na área do cinema: partilham uma cultura do cinema de autor, referências estéticas, a visão de um cinema de escrita livre e uma vontade clara de colaboração.

De forma a apoiar as obras cinematográficas coproduzidas por entidades francesas e portuguesas, foi criado um fundo de apoio à coprodução, em 2014, pelo Centre National du Cinéma et de l’Image Animée (CNC) e pelo Instituto do Cinema e do Audiovisual (ICA). No entanto, não existe nenhum dispositivo de ajuda e de apoio ao desenvolvimento dessas mesmas obras cinematográficas.

A residência Cine Cerca foi criada para responder a estas necessidades:

  • Necessidade de um dispositivo de acompanhamento da escrita, que proporcione um retiro no qual o residente se possa concentrar exclusivamente no seu projeto, sem perturbações ou solicitações externas.
  • Necessidade de apoiar uma verdadeira política em prol dos autores que apresentem projetos inovadores, de assegurar a sua renovação e de consolidar a colaboração entre França e Portugal.
  • Necessidade de dar início a um acompanhamento personalizado, a uma eficaz colocação em rede (produtores, serviços de apoio, distribuidores, etc.), nomeadamente durante os dois festivais envolvidos (a Festa do Cinema Francês e o IndieLisboa), com o objetivo de assegurar a concretização dos projetos e a sua promoção.

Os locais da residência

Local de trabalho: a Casa da Cerca

O espaço de trabalho dos residentes, assim como os encontros com os profissionais envolvidos, é na Casa da Cerca.

A Casa da Cerca é um local carregado de história, situado no topo da cidade de Almada, na margem esquerda do rio Tejo, que oferece aos residentes um espaço de trabalho ideal.

Esta residência senhorial do século XVII foi palácio de verão de famílias nobres ao longo de séculos, antes de ser abandonada logo após a Revolução dos Cravos, em 1974.

Desde 1989, a Casa da Cerca é simultaneamente um centro de arte contemporânea e um centro de documentação e de investigação. É um local aberto ao público que acolhe ao longo do ano exposições, concertos, espetáculos e oficinas que dão conta da vitalidade da arte contemporânea em Portugal.

Local de residência: o Seminário São Paulo de Almada

O alojamento e as refeições são assegurados no Seminário São Paulo, com localização próxima da Casa da Cerca.

Um pequeno passeio bucólico de uma dezena de minutos a pé separa o Seminário da Casa da Cerca; os residentes atravessarão pátios de laranjeiras, onde se reflete a brancura das paredes cobertas de azulejos do século XVII.

Com os seus mais de quatro séculos de história, o Seminário São Paulo de Almada é rodeado por um vasto jardim e uma quinta pedagógica: goza de uma vista privilegiada sobre o rio Tejo e sobre a cidade de Lisboa.

Cada quarto está equipado com cama dupla, aquecimento e uma casa de banho privativa. Todas as refeições são servidas no refeitório.

O acompanhamento

Durante a residência

Os projetos serão alvo de duas avaliações personalizadas, cada uma delas no início de cada período de 15 dias:

  • Uma avaliação no início de janeiro de 2020.
  • Outra avaliação no início de maio de 2020.

Profissionais do cinema lusófono e francófono irão avaliar as qualidades e as fragilidades dos projetos, sugerindo novos eixos de desenvolvimento.

Também irão propor eventuais colaborações e pôr os residentes em contacto com profissionais da indústria cinematográfica em França e em Portugal.

Seguimento da residência

No final da residência, os projetos desenvolvidos continuarão a ser seguidos de perto. As fases de avanço de cada um serão discutidas através do envio de newsletters e nas redes sociais.

Os filmes realizados serão apresentados nas edições seguintes da Festa do Cinema Francês e/ou do IndieLisboa.

Relação com os festivais de cinema

Os dois períodos de residências estão associados a Festa do Cinema Francês (que decorre de 3 de outubro a 8 de novembro de 2019) e ao IndieLisboa (de 30 de abril a 9 de maio de 2020).

Os residentes terão acesso às sessões, masterclasses e encontros profissionais para fazerem com que os seus projetos avancem e para desenvolverem novas colaborações artísticas.

A Festa do Cinema Francês

A Festa do Cinema Francês é o acontecimento cultural mais importante da Embaixada de França e do Instituto Francês de Portugal.

Todos os anos, o festival propõe ao público português um panorama variado da produção cinematográfica francesa, encontros com convidados prestigiados e a descoberta de novos talentos. Desde a sua criação, o festival pôde contar com a presença de atores excecionais, entre os quais se encontram Isabelle Adjani, Maria de Medeiros, Carole Bouquet, Sandrine Bonnaire ou Louis Garrel, e de realizadores famosos como André Téchiné, Agnès Varda, Pedro Costa, Manoel de Oliveira ou ainda Arnaud Desplechin.

O 20.º aniversário da Festa do Cinema Francês será oportunidade para celebrar os laços que unem os dois países: haverá uma programação ambiciosa de filmes, encontros profissionais e uma mesa-redonda sobre o fundo de coprodução CNC-ICA.

IndieLisboa

Todos os anos, ao longo de 11 dias, o Festival internacional IndieLisboa apresenta cerca de 250 filmes de todos os géneros cinematográficos, acolhendo mais de 30 000 espetadores e mais de 400 profissionais.

Organizado desde 2004 pela associação cultural IndieLisboa, o festival goza de uma sólida reputação internacional e é hoje em dia o mais importante festival de cinema independente de Portugal.

Desde a sua criação em 2002, o IndieLisboa propõe uma programação original que inclui a apresentação tanto de obras de autores conhecidos como de novos realizadores

Com as iniciativas Portugal Film e Lisbon Screenings, o festival beneficia de duas poderosas ferramentas de promoção do cinema português, tanto no plano nacional como internacional.

Candidatar-se ao programa Cine Cerca

Calendário

  • Abertura do período de candidatura dos projetos a 4 de setembro.
  • Envio dos projetos até 4 de outubro.
  • Divulgação dos projetos selecionados a 9 de outubro.

Quem compõe o júri de avaliação?

A um júri composto por profissionais do cinema francês e português fica a tarefa de selecionar os projetos.

Quem são os scripts-doctors?

Fabianny Deschamps

É uma realizadora francesa.

Realizou cinco curtas-metragens seguidas de duas longas-metragens com distribuição comercial em França, New Territories e Isola, ambas apresentadas em Portugal na Festa do Cinema Francês.

Leitora e consultora de argumento para o Studio Canal+, o CNC e a associação Moulin d’Andé, Fabianny tem muita experiência de acompanhamento da escrita.

Presidente da ACID em France até 2018, é sensível às questões políticas do cinema independente, da ação cultural e da educação dos públicos.

Fabianny Deschamps organizou com a APR, o ACID TRIP #2, um focus sobre o cinema português aquando da edição 2018 do Festival de Cannes e fez parte do júri da competição nacional do IndieLisboa em 2018.

João Pedro Rodrigues

Quis ser ornitólogo e começou por estudar Biologia na Universidade de Lisboa, mas desistiu e foi estudar para a Escola Superior de Teatro e Cinema, tendo terminado o curso de Cinema em 1992.

O seu trabalho explora o desejo humano em todas as suas formas, reflectindo a multiplicidade da História do Cinema, desde os géneros do cinema clássico até ao documentário e ao cinema experimental. 

Escreveu e realizou cinco longas-metragens: O Fantasma (2000), Odete (2005), Morrer como um Homem (2009), A Última Vez que Vi Macau (2012), co-realizado com João Rui Guerra da Mata, e O Ornitólogo (2016).Também realizou várias curtas-metragens, algumas das quais com João Rui Guerra da Mata, num corpo de trabalho a que gostam de chamar os seus “filmes asiáticos”. Os seus filmes estrearam e ganharam prémios em numerosos festivais como Cannes, Veneza, Locarno e Berlim. 

João Pedro Rodrigues realiza também, com João Rui Guerra da Mata, instalações para museus e galerias de arte : Santo António,no Museu Mimesis na Coreia do Sul, Do Rio das Pérolas ao Ave,na galeria Solar de Arte Cinemática, em Vila do Conde. Em 2016-2017, o Centro Pompidou de Paris dedicou-lhes uma Retrospectiva Integral e Exposição em conjunto. Simultaneamente, foi publicado o livro de João Pedro Rodrigues, Le jardin des fauves, conversations avec Antoine Barraud.

Actualmente trabalha em vários projectos, dos quais uma longa de ficção, O Sorriso de Afonso, e um curta, Um Príncipe no Quartel, assim que dois projetos co-realizado com João Rui Guerra da Mata, o documentário,  Onde Fica esta Rua?, e a longa asiática, San Ma Lou 270, Macau.

Como se candidatar?

Os candidatos devem enviar até ao dia 4 de outubro de 2019, para o endereço contact@cinecerca.com, um dossier em formato PDF com:

  • A ficha de informações preenchida.
  • Uma carta de intenções que dê conta do caráter franco-português do projeto.
  • No caso de uma curta-metragem (ficção, documentário, animação): o projeto completo (máximo de 30 páginas).
  • No caso de uma média ou longa-metragem (ficção, documentário, animação): um desenvolvimento (máximo de 15 páginas) e, se for caso disso, algumas sequências em diálogo (máximo de 15 páginas).
  • A nota de intenções do projeto (máximo de 3 páginas).
  • Um currículo (máximo de 2 páginas).
  • Links para os filmes que tenha realizado anteriormente.
  • Qualquer tipo de documento (de texto ou visual) considerado útil para a compreensão do projeto e dos objetivos do autor (máximo de 5 páginas).

Quais são os critérios de seleção?

  • A qualidade do projeto.
  • O tipo de cooperação pretendida com os parceiros franco-portugueses e a pertinência dos contactos estabelecidos ou projetados entre França e Portugal (desenvolvimento, coprodução, distribuição, etc.).
  • O percurso do candidato.

Quantos dossiers serão selecionados?

Para a temporada 2019/2020 serão escolhidos quatro residentes.

Os organizadores

Cine Cerca é um projeto imaginado e desenvolvido por Fabianny Deschamps, Elsa Cornevin e Pierre Primetens.

Produção

A residência Cine Cerca é produzida por SERENA Productions.

No seguimento da sua experiência enquanto Adida para o audiovisual da Embaixada de França em Lisboa, Elsa Cornevin fundou a empresa SERENA Productions e aproveitou o seu conhecimento dos principais atores do mundo do cinema, em França e em Portugal, para fomentar a criação de projetos ambiciosos entre estes dois países.

Elsa Cornevin é também documentarista, membro do comité de programação do Festival Internacional de Curtas-Metragens de Clermont-Ferrand e assegura, em 2019, a coprodução com o Instituto Francês de Portugal da 20ª edição da Festa do Cinema Francês.

Coordenação

Pierre Primetens é um realizador franco-português

A viver entre França e Portugal há vários anos, conhece bem as questões económicas e artísticas das duas indústrias.

A sua obra é atravessada pelas problemáticas da luso-descendência, das raízes, da memória e da cultura portuguesa através de uma pesquisa formal baseada sobretudo na autobiografia.

Os seus filmes foram selecionados e premiados em grandes festivais internacionais.

Antigo residente do Moulin d’Andé (Centro das Escritas Cinematográficas), dos Ateliers d’Angers e da Casa de Velázquez, acumulou uma sólida experiência na transmissão e na animação de oficinas, tanto em meio escolar como associativo ou profissional.